Orçamento Familiar

Descubra o que é a Economia de Partilha

A Economia de Partilha é uma opção de alugar recursos sem comprar, tendo influência nos hábitos de consumo das sociedade. Saiba mais sobre este tema.

Autor Externo Autor Externo , 12 Março 2020

O consumo colaborativo tem feito seguidores nos mais diversos quadrantes da sociedade portuguesa nos últimos tempos, muito em parte após a crise financeira, que levou muitas famílias a adotar novos padrões de consumo

A Economia de Partilha teve influência nestes novos padrões de consumo.

O termo economia de partilha apareceu na década de 1990, altura em que começou a ser debatida uma nova visão de otimização dos recursos financeiros, económicos, sociais e ambientais, por grupos de economistas e empresários nos EUA. Passados 20 anos, pode-se ver no dia-a-dia como a Economia de Partilha já faz parte das sociedade europeias.

A Economia de Partilha revoluciona a forma como a sociedade encara a utilização por exemplo dos bens materiais. Em vez de despender dinheiro na aquisição de algo novo, há a mentalidade de reutilizar algo ou pedir a alguém esse produto ou serviço.

A Economia de partilha é por isso toda e qualquer partilha de recursos sejam eles manifestados sob a forma física e material, seja sob a forma de conhecimento ou intelectual. 

Depois da crise financeira

O conceito de Economia de Partilha ganhou força no seio da crise económica que, em conjunto com a revolução virtual e tecnológica, gerou condições ideais para que este modo de vida se implementasse. 

A crise e o seu impacto a nível das famílias levou a uma mudança de mentalidade, preferindo-se a partilha de bens e serviços na tentativa de com isso poupar dinheiro. Via-se assim uma mudança do consumo das pessoas.

As partilhas de automóvel a caminho do trabalho são o exemplo mais visível deste conceito bem como o aparecimento de novas formas de mobilidade. 

A era digital e os avanços e comodidades que esta veio trazer proporcionou um aumento de consumo online de produtos e serviços a preços mais acessíveis, fomentando e intensificando a troca de recursos com a ajuda da internet. 

Os princípios deste conceito

A economia de partilha rege-se essencialmente por três princípios: o valor das coisas, a importância do acesso e o índice de confiança.

O valor que se dá ao não usar as coisas é entendido como um desperdício de recursos. Um caso paradigmático é a proliferação de sites e grupos de boleias nas redes sociais, que permite poupar tempo, dinheiro e combustível, podendo haver a possibilidade das despesas serem partilhadas por todos os ocupantes em igual modo.

A importância do acesso ganha ao ter. A maior parte das pessoas vê mais utilidade em emprestar ou alugar algo do que gastar dinheiro a comprar um produto. Assim trocou-se a posse pelo alugar por algum tempo para reduzir custos.

Por último e não menos importante, o sentimento de confiança de que funciona e que há bons serviços faz com que o passa-a-palavra converta mais pessoas. Um caso típico exemplificativo deste princípio de confiança tem a ver com plataformas como Airbnb, em que é possível arrendar um alojamento local para férias através da Internet sem conhecer o proprietário antes.

A economia de partilha veio modificar a maneira de pensar os bens e serviços, em que não tem de comprar um produto ou serviço para ter os benefícios do mesmo. Cria-se também um sentimento de comunidade em que recursos partilhados podem unir sociedades, ajudando também a poupar a carteira e o planeta.

Partilhe este artigo
Tem dúvidas sobre o assunto deste artigo?

No Fórum Finanças Pessoais irá encontrar uma grande comunidade que discute temas ligados à Poupança e Investimentos.
Visite o fórum e coloque a sua questão. A sua pergunta pode ajudar outras pessoas.

Ir para o Fórum Finanças Pessoais

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *